O bastião da liberdade individual

 

O empresário Salim Mattar , em palestra no Fórum Liberdade e Democracia, realizado em 11/9/2014 , fala do intervencionismo do Estado, seus mecanismos de controle social e a tendência de tais mecanismos instalados , no longo prazo, conduzirem a sociedade para um regime ditatorial.  Este evento foi o primeiro realizado em São Paulo, que existe  em defesa do Liberalismo, do livre mercado e dos direitos individuais do homem, bem como pela redução do poder do Estado sobre a vida dos indivíduos.

Salim fez uma observação interessante: a liberdade nos é tirada de forma paulatina, lenta e gradual. Nunca de maneira instantânea, de modo que, para impedir que as pessoas criem consciência do intervencionismo estatal, quem está no poder usa de maneira recorrente  o uso da palavra ” democracia”, e tudo que este Governo fizer é imediatamente associado à democracia. E aqui reside uma tática retórica: o uso recorrente de uma palavra visa esvaziá-la de seu real sentido.  O PT pode falar em liberdade. Mas instituir excesso de regulação  para exercer controle sobre as idéias que circulam na sociedade e na internet não parece algo associado à liberdade. Mas qualquer subterfúgio pode ser utilizado em prol deste fim. O Estado costuma falar em proteção quando se aumenta o grau de controle social sobre as diversas atividades humanas. E se as pessoas ficam inertes à tal ação, a ofensiva estatal só tende a aumentar, ainda que a longo prazo.

Outro tema explorado na palestra foi a Lei da Palmada, que visa propor uma correção sobre a forma dos pais tentarem disciplinar seus filhos. Tal lei é uma usurpação do exercício da responsabilidade paterna. É a intervençao do Estado na família, com o intuito de descontstruí-la. O discurso dos burocratas que a sancionaram foi a de ”proteger” a criança e o adolescente.  Até a Xuxa – que chegou a fazer cenas eróticas com uma criança nos anos 80- foi convocada para dar um respaldo no projeto de Lei e ao mesmo tempo  tentar convencer as massas de que a Lei da palmada tem um viés de nobreza.

Perante tal hipocrisia, Salim Mattar reagiu: ”Como pode o Estado , com arrogância, invadir nossas casas e dizer como nós devemos educar nossos filhos?”

O empresário tambem alertou sobre as derrotas que o PT teve no plebiscito do Desarmamento, em 2005. Mesmo quando o país votou a favor do comércio de armas, o Governo LULA, aumentou as restrições sobre o porte de armas.  A qualquer problema sobre o registro da arma, a pessoa pode perder a própria arma e correr o risco de ser presa. Porém, quando se fala em desarmamento,  os desarmamentistas  não se preocupam em desarmar o bandido, mas alegam que os cidadãos que respeitam a lei e as regras de convívio social não são ” capazes” de portar uma arma com destreza ,pois estariam, vejam só, sujeitos às suas paixões humanas e cometeriam crimes com mais facilidade do que um criminoso, por simplesmente portar uma arma. A hipocrisia dos que são contra as armas ( a Esquerda) é tão grande que eles ignoram o fato de quem quem adquire uma arma para matar e assaltar não recorre à lei.  Já o cidadão busca  ter seu direito reconhecido dentro da lei  .

A defesa das liberdades individuais parece trilhar um longo caminho. E este evento parece ser o começo de um movimento que aos poucos está se inserindo no debate público , nas universidades e na política.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s